Andador – Usar ou não usar?

Devido a ansiedade de ver o filho a dar os primeiros passos, muitos pais usam o andador para facilitar o aprendizado. Alguns pensam que ele facilita o processo de andar e proporcionam uma maior liberdade

Mas, na verdade, as coisas não são assim.

Ele não é inofensivo

Eles realmente parecem inofensivo, porém podem prejudicar o desenvolvimento motor e intelectual das crianças, e aumentando as chances de ocorrer algum acidente mais grave.

Popularidade 

uso do andador ainda é bem popular com os pais, mesmo com a opinião contrária dos pediatras. Alguns pensam que ele pode proporcionar uma maior segurança para os bebês, evitando que ele caia. Outro pensamento errado é o de que o isso dele pode melhorar a sua mobilidade e que ajudaram no desenvolvimento.

Entretanto, a ideia de que o andador é seguro é completamente errada. Na verdade, o andador é o produto infantil mais perigoso de todos. Um terço dessas lesões que ocorrem com os bebês e que são mais graves, são causadas por ele. A criança pode ter…

fraturas,

traumas cranianos,

queimaduras,

intoxicações,

afogamentos,

quedas mais graves. 

Os pais devem deixar a preguiça de lado para não recorrer ao andador devido a sua uma maior disponibilidade para quem está cuidando. Quando não há como deixar que a criança fique perto, o ideal é usar o cercado e colocar alguns de seus brinquedos próximos dela.

Motivos para não o usar

Atrasa o processo que faz a criança andar

Para que a criança ande sozinha, ela precisa passar por todo um processo de desenvolvimento. Deixar o bebê no andador sem que ela tenha começado a ficar de pé sozinha ou com apoio, pode fazer com que ela comece a andar sozinha mais tarde do que o ideal.

Dificuldade em aprender a pisada correta para começar a andar

Quando o bebê é colocado no andador, a posição do corpo dele fica incorreta, podendo levar a uma má postura, problemas na coluna ou até dificuldade para andar. Uma criança que permanece muito tempo no andador, acaba engatinhando menos. Saber engatinhar é fundamental para o desenvolvimento dos músculos que ficam nas pernas e que ajudam a fazê-lo andar sozinho. 

Maiores chances de se machucar

Quando o bebê fica no andador, há mais risco de que ele caia e tropece no tapete, cadeiras ou nos brinquedos que ficam jogados no chão.  Também, há um grande risco de que ele caia das escadas e perca o seu controle ao ganhar maior velocidade. A situação pode acabar sendo grave, pois pode aumentar o risco de que ele bata a sua cabeça.

O andador só é recomendado em casos especiais de crianças com problemas neurológicos.

Atrapalha o desenvolvimento das articulações 

Deixar o bebê no andador pode causar lesões nas articulações dos pés e das pernas, porque os músculos da parte inferior do corpo não estarão fortes o suficiente. Isso acaba aumentando o risco de ocorrerem lesões.

Prejudica o seu desenvolvimento intelectual

Ao ficar preso no andador, ele é impedido de fazer uma maior exploração naquilo que está a sua volta. Isso faz com que o bebê tenha uma curiosidade menor em relação aos seus brinquedos, pois não conseguirá pegar nada que estiver no chão.

Como fazer com que o bebê possa começar a andar mais rápido

Na maioria das vezes, a criança começa a dar os seus primeiros passos a partir dos 9 meses de vida, e já consegue andar sozinho e com segurança por volta dos 15 meses.

Para que o processo de aprendizagem seja mais rápido, existem algumas coisas que podem ajudar:

Segurar as mãos da criança e andar com ela

Deixar que o bebê andar descalço;

Ficar um pouco distante dele, chama-lo com os braços abertos para incentivá-lo a andar;

Ficar um pouco distante dele, chama-lo com o seu brinquedo favorito nas mãos para que ele tente pegá-lo. 

Para que todo o processo para aprender a andar dê certo, é preciso sempre manter a calma para que possa passar uma maior segurança para que ele tenha vontade de explorar o ambiente a sua volta. Ele precisa se sentir estimulado e com a confiança de que tudo irá bem e que alguém para lhe socorrer se houver algo.